Dias Litúrgicos

31 de maio – Festa da Visitação de Nossa Senhora a Santa Isabel e a Santificação de São João Batista

20150531_visitacao04

Fonte da Imagem: RRCBRASIL

Bíblia de Jerusalém

“A visitação — 39 Naqueles dias, Maria pôs-se a caminho para a região montanhosa, dirigindo-se apressadamente a uma cidade de Judá. 40 Entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. 41 Ora, quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre e Isabel ficou repleta do Espírito Santo. 42 Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre! 43 Donde me vem que a mãe do meu Senhor me visite? 44 Pois quando a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria em meu ventre. 45 Feliz aquela que creu, pois o que lhe foi dito da parte do Senhor será cumprido!”

O Magnificat — 46 Maria, então, disse: “Minha alma engrandece o Senhor, 47e meu espírito exulta em Deus em meu Salvador, 48 porque olhou para a humilhação de sua serva. Sim! Doravante as gerações todas me chamarão de bem-aventurada, 49 pois o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. Seu nome é santo 50 e sua misericórdia perdura de geração em geração, para aqueles que o temem. 51 Agiu com a força de seu braço, dispersou os homens de coração orgulhoso. 52 Depôs poderosos de seus tronos, e a humildes exaltou. 53 Cumulou de bens a famintos e despediu ricos de mãos vazias. 54 Socorreu Israel, seu servo, lembrado de sua misericórdia 55 — conforme prometera a nossos pais — em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre!” 56 Maria permaneceu com ela mais ou menos três meses e voltou para casa.”

 
DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
NA CONCLUSÃO DO MÊS MARIANO
NA GRUTA DE NOSSA SENHORA DE LOURDES
NOS JARDINS DO VATICANO

Quinta-feira, 31 de Maio de 2007

 

Fonte da matéria: Vaticano 

 

[ DE  – EN  – ES  – FR  – IT  – PT ]

Queridos irmãos e irmãs!

Uno-me com alegria a vós no final desta vigília, sempre sugestiva, com a qual se conclui no Vaticano o mês de Maio na festa litúrgica da Visitação da Bem-Aventurada Virgem Maria. Saúdo com afecto fraterno os Cardeais e os Bispos presentes, e agradeço ao Arcipreste da Basílica, D. Angelo Comastri, que presidiu à celebração. Saúdo os sacerdotes, as religiosas e os religiosos, em particular as monjas do Mosteiro Mater Ecclesiae no Vaticano; assim como as numerosas famílias que participam deste rito.

Meditando os mistérios da luz do santo Rosário, subistes a esta colina na qual revivestes espiritualmente, na narração do evangelista Lucas, a experiência de Maria, que de Nazaré da Galileia “pôs-se a caminho e dirigiu-se à pressa para a montanha” (Lc 1, 39) para chegar à aldeia da Judeia onde habitava Isabel com o marido Zacarias.

O que levou Maria, jovem mulher, a enfrentar aquela viagem? Sobretudo, o que a levou a esquecer-se de si mesma, para passar os primeiros três meses da sua gravidez ao serviço da prima necessitada de assistência?

A resposta escrita num Salmo: “Corro pelos caminhos da Vossa lei, [Senhor]/porque me dais um coração largo” (Sl 118, 32). O Espírito Santo, que tornou presente o Filho de Deus na carne de Maria, dilatou o seu coração até às dimensões daquele Deus e levou-a pelos caminhos da caridade.

A Visitação de Maria compreende-se à luz do acontecimento que precede imediatamente a narração do Evangelho de Lucas: o anúncio do Cordeiro e a concepção de Jesus por obra do Espírito Santo.

O Espírito desceu sobre a Virgem, o poder do Altíssimo estendeu sobre ela a sua sombra (cf. Lc 1, 35). Aquele mesmo Espírito estimulou-a a “levantar-se” e a partir sem hesitações (cf. Lc 1, 39), para servir de ajuda à idosa parente. Jesus tinha iniciado a formar-se no seio de Maria, mas o seu Espírito já tinha enchido o coração dela, de forma que a Mãe já começa a seguir o Filho divino: pelo caminho que da Galileia leva à Judeia é o próprio Jesus quem “dá força” a Maria, infundindo-lhe o desejo generoso de ir ao encontro do próximo necessitado, a coragem de não dar prioridade às próprias legítimas exigências, as dificuldades, as preocupações, os perigos para a sua própria vida.

É Jesus que a ajuda a superar tudo deixando-se guiar pela fé que age através da caridade (cf. Gl 5, 6).

Meditando este mistério, vemos o significado de caridade cristã como uma virtude “teologal”. Vemos que o coração de Maria é visitado pela graça do Pai, está repleto da força do Espírito e é estimulado interiormente pelo Filho; vemos um coração humano perfeitamente inserido no dinamismo da Santíssima Trindade.

Este movimento é a caridade, que em Maria é perfeita e se tornou modelo da caridade da Igreja, como manifestação do amor trinitário (cf. Enc. Deus caritas est, 19). Cada gesto de amor genuíno, até o mais pequenino, contém em si uma centelha do mistério infinito de Deus: o olhar atencioso ao irmão, o tornar-se próximo dele, a partilha da sua necessidade, o cuidado das suas feridas, a responsabilidade pelo seu futuro, em todos os seus aspectos, torna-se “teologal” quando está animado pelo Espírito de Cristo.

Maria nos obtenha o dom de saber amar como ela soube amar. Confiamos a Maria esta singular parcela de Igreja que vive e trabalha no Vaticano; confiamos-lhe a Cúria Romana e as instituições com ela relacionadas, para que o Espírito de Cristo anime todas as tarefas e serviços.

Mas desta colina alargamos o olhar a Roma e ao mundo inteiro, e rezamos por todos os cristãos, para que possam dizer com São Paulo: “o amor de Cristo nos constrange”, e com a ajuda de Maria saibam difundir no mundo o dinamismo da caridade.

Agradeço-vos mais uma vez a vossa devota e calorosa participação. Levai a minha saudação aos doentes, aos idosos e a cada um dos vossos queridos. A todos concedo de coração a minha Bênção.

© Copyright 2007 – Libreria Editrice Vaticana 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: